Feeds:
Posts
Comentários

Matéria no site

27.07.2012

Preparar la vuelta de los Teens

Caroline Tosta, que coordena más de 100 alumnos, habla sobre las preparaciones para esta vuelta.

WiseUpTeens

 

Las vacaciones están llegando a su fin y pronto las aulas serán tomadas por los adolescentes de nuevo. Y, mientras que los alumnos de Wise Up Teens disfrutan de estos últimos días de descanso, ¡los responsables Teens de las unidades trabajan un montón!
 
Caroline Tosta, coordinadora de Ipiranga, cuenta con más de 100 alumnos bajo su responsabilidad y habla como es cuidar de los preparativos para este regreso, además de mantener su rutina. «Una de mis actividades durante este mes es hacer la nivelación de los alumnos que ingresarán en agosto con la mayor brevedad posible a fin de evitar la acumulación hasta el final del mes y asegurarme de que todo el mundo tiene, de hecho, sus materiales didácticos en las manos antes del inicio de clases», explica.
 
Además, ella está creando una tabla de «grupos» y «profesores». «La planeo basada en los análisis realizados durante el mes de junio, cuando asistí a las clases de todos los profesores y de todos los grupos para trazar los perfiles de los dos y así intentar corresponder el profesor que más puede ayudar a cada grupo a desarrollarse dentro de las habilidades que necesitan».
 
Después de eso, Caroline analisó la relación «cantidad de alumnos» y «aulas Teens». «Me he encontrado con la necesidad de establecer al menos una aula Teens más para la entrada de agosto. Ahora, estoy siguiendo el proceso de liberación de los recursos, la compra e instalación de equipos antes del inicio de las clases».
 
Debido a la cantidad de alumnos y su preferencia por algunos horários, fue necesario contratar a otro profesor. Viviane, la contratada, será entrenada la próxima semana, después de el «taller Teens». «Los “talleres Teens” son una conquista que he logrado junto y con el apoyo del Recursos Humanos de la escuela para que algunas horas pagadas de los profesores Teens sean invertidas en capacitación centrada en nuestro público objetivo, que son los adolescentes», dice la coordinadora.
 
Para ello, Caroline hizo una encuesta de las principales dificultades de los profesores en el aula durante el primer semestre. «Les apunté temas para que investigasen y desarrollasen un artículo de una a dos páginas y una presentación de por lo menos cuatro diapositivas en sus talleres».
 
Durante esa semana, tendrá que supervisar el desarrollo de estos talleres. «Por lo tanto, cito reuniones con los profesores para educarlos acerca de nuestro enfoque y propósito y después de las presentaciones, mi trabajo será lo de escribir un informe a la Dirección de la escuela, para evaluar la experiencia como satisfactoria o no».
 
Los cinco profesores Teens bajo su supervisión tienen sus investigaciones ya en la etapa de conclusión. «Los talleres tratarán temas tales como “las diferentes etapas de la adolescencia y los aspectos emocionales”, con base en la perspectiva de un educador (Piaget) y un psicólogo (Mauricio), “los factores afectivos y la construcción de la autoestima del alumno Teens en el aprendizaje del idioma Inglés”, basado en algunos autores y entrevistas con los adolescentes y adultos acerca de su aprendizaje en la adolescencia, entre otros», explica la coordinadora.
 
También desde esta semana en las mañanas, Caroline dedicará tiempo para organizar el P10 y solucionar los problemas que encuentre. «Tengo suficiente trabajo que hacer sobre el P10 y estoy trabajando con mi Regional para que podamos terminar con estas correcciones antes de que comiencen las clases en agosto, para no acumular más problemas para el futuro».
 
Aparte de eso, su rutina normal continúa, con actividades tales como: «Levantar las horas de trabajo de los profesores para enviar a mi coordinadora de unidad, atender a los responsables de los alumnos que quieren cambiar el horário de sus hijos, enviar informes de aprovechamiento del módulo 12 y del promedio de los exámenes finales, citar atenciones con los responsables y alumnos que reprobaron, preparar tablas de control de tareas y notas de portfolio del próximo semestre junto a los profesores, forrar los libros que los profesores utilizarán el próximo semestre, cobrar de los profesores que no me han entregado notas de protfolios en retraso, los informes y las pruebas —a pesar de que sólo me falta un profesor—, entre otras cosas de la vida cotidiana» enumera.
 
¡Uf! ¡El trabajo no le falta! Si alguien pensaba que mientras los alumnos están de vacaciones los coordinadores y responsables Teens también están, ¡que se equivocaba!
 
Lucimara Savi

27.07.2012

Preparando a volta do Teens

Caroline Tosta, que coordena mais de 100 alunos, fala sobre os preparativos para esse retorno.

WiseUpTeens

 

As férias estão chegando ao fim e, em breve, as salas de aula estarão tomadas pelos adolescentes novamente. E, enquanto os alunos da Wise Up Teens desfrutam desses últimos dias de descanso, os responsáveis Teens das unidades trabalham – e muito!
Caroline Tosta, coordenadora de Ipiranga, tem mais de 100 alunos sob a sua responsabilidade e fala como está sendo cuidar dos preparativos para esse retorno, além de manter a sua rotina.
“Uma das minhas atividades durante esse mês é a de fazer o nivelamento dos alunos que entrarão em agosto o quanto antes, com o intuito de evitar o acúmulo para o final do mês e garantir que todos tenham, de fato, os seus materiais didáticos em mãos antes do início das aulas”, explica.
Além disso, ela está montando a grade de ‘turmas’ x ‘professores’. “Eu planejo isso tomando por base as análises que fiz durante o mês de junho, quando assisti às aulas de todos os professores e de todas as turmas para traçar os perfis de ambos e buscar encaixar o professor que mais possa ajudar a turma a se desenvolver dentro das habilidades que necessita”.
Depois disso, Caroline analisou a relação ‘quantidade de alunos’ x ‘salas Teens’. “Constatei a necessidade de montarmos, no mínimo, mais uma sala Teens para a entrada de agosto. Agora, estou acompanhando o processo de liberação do recurso, compra e instalação dos equipamentos antes do início das aulas”.
Devido ao número de alunos e à preferência deles por alguns horários, foi necessária a contratação de mais um professor. Viviane, a contratada, será treinada na próxima semana, após o ‘workshop Teens’. “Os ‘workshops Teens’ são uma conquista que eu alcancei em conjunto e com o apoio do RH da escola, para que algumas horas pagas dos professores Teens fossem investidas em treinamento voltado para o nosso público alvo, que são os adolescentes”, conta a coordenadora.
Para isso, Caroline fez um levantamento das principais dificuldades dos professores em sala de aula ao longo do primeiro semestre. “Pontuei temas para que eles pesquisassem e desenvolvessem um artigo de uma a duas páginas e uma apresentação de, no mínimo, quatro slides, em seus workshops”.
Durante essa semana, ela terá que supervisionar o desenvolvimento desses workshops. “Por isso, agendo reuniões com os professores, para orientá-los com relação ao nosso foco e objetivo e, após as apresentações, o meu trabalho será o de escrever um relatório para a Diretoria da escola, avaliando a experiência como satisfatória ou não”.
Os cinco professores Teens sob sua supervisão estão com suas pesquisas já em fase de conclusão. “Os workshops abordarão temas como ‘as diferentes fases das adolescência e seus aspectos emocionais’, baseado na perspectiva de um educador (Piaget) e de um psicólogo (Maurício); “os fatores afetivos e a construção da autoestima do aluno Teens no aprendizado da língua inglesa’, baseado em alguns autores e entrevistas com adolescentes e adultos sobre o seu aprendizado na adolescência, entre outros”, explica a coordenadora.
Ainda a partir dessa semana, durante as manhãs, Caroline vai dedicar um tempo para organizar o P10 e corrigir os problemas que encontrar. “Eu tenho bastante trabalho a fazer com relação ao P10 e estou trabalhando junto com a minha Regional para que consigamos terminar essas correções antes do início das aulas de agosto, para não acumular mais problemas para o futuro”.
No mais, sua minha rotina normal continua, com atividades como: “Levantar as horas de trabalho dos professores para enviar à minha coordenadora de unidade, atender responsáveis de alunos que queiram mudar o horário de seus filhos, enviar relatórios de aproveitamento do módulo 12 e de média das provas finais, agendar atendimento com os responsáveis e alunos que reprovaram nas provas, elaborar fichas de controle de lição de casa e notas de portfólio do próximo semestre para os professores, encapar livros que os professores vão usar no próximo semestre, cobrar os professores que ainda não me entregaram notas de portfólios atrasados, relatórios e provas (ainda bem que só falta um professor), entre outras coisas do cotidiano”, enumera.
UFA! Trabalho é o que não falta mesmo! Se alguém pensava que enquanto os alunos estão de férias os coordenadores e responsáveis Teens também ficam de folga, estava redondamente enganado!
Lucimara Savi

Comemoração de 01 ano Wise Up Teens

“What is your teenage dream?”

Nessa primeira semana de aula dos teens o meu coração aflito não me deixava dormir tranquilamente. Eu me pegava rolando na cama e pensando: “Será que se eu colocar o aluno J com a aluna V na mesma turma irá dar certo? Será que a turma M02 irá receber bem o P e a B? Será que finalmente o P, o C e o L vão mesmo tomar jeito esse semestre como eles nos prometeram? Será que os professores estão deixando os alunos novos à vontade? Será que eu estou conseguindo motivar os professores e deixá-los à vontade para compartilharem seus desafios em sala de aula?”. Eram tantos “serás” que eu só conseguia sonhar com a escola, os alunos e os professores. E foi em uma dessas noites em que eu demorei a pegar no sono que comecei a fazer uma “retrospectiva” mental de tudo que já passei como Responsável Teens e me dei conta de que no próximo mês de Março de 2012 tanto eu quanto o Projeto Wise Up Teens temos muitos motivos para comemorar! 🙂

Eu mergulhei de cabeça e coração aberto nesse projeto desde o início e vou poder comemorar com muita alegria 01 ano na Coordenação Teens com um balanço de entrada superior a 100 alunos de 2011 para 2012, 02 cancelamentos e 02 transferências de alunos que iniciaram o curso! E isso só prova que o Projeto Wise Up Teens é um grande sucesso e que tem um enorme potencial de crescimento, só basta que acreditemos nele e que todos os setores trabalhem em equipe! 🙂

Believe! Isso me faz lembrar em como, no princípio, foi difícil mergulhar no mundo dos teens. Eu precisei “alugar” meu sobrinho de 14 anos e “sugar” toda informação possível sobre as músicas do momento, filmes, séries, opiniões sobre o que é e não é “cool”, enfim, me atualizar de toda uma “cultura teens” que até então eu nem tinha me dado conta que eu desconhecia e isso me causou grande estranhamento. Eu me senti como descreve Caetano Veloso na música “Sampa”: “e a mente apavora o que ainda não é mesmo velho, nada do que era antes quando não somos mutantes”… E foi durante as primeiras aulas que percebi que vários exemplos de personalidades que marcaram a minha geração (dos anos 80), como “Xuxa”, “Carla Perez” e “Cazuza” estavam ultrapassados e que os alunos se divertiam me chamado de “old”! Pensei: OMG!!! L E, ainda em choque, me lembrei do meu “teenage dream”, que era ser uma “mutante”, ou melhor, uma “metamorfose ambulante”, como dizia Raul Seixas. Foi então que abracei “a causa” e decide sair de vez da minha “zona de conforto” e me desafiei a resgatar o que de teens ainda existia vivo dentro de mim e … pasmem … encontrei tanta coisa! J Dentre elas, a capacidade de acreditar nas pessoas, em um futuro melhor, o tesão de viver intensamente o momento, de trabalhar com paixão, de me doar  cada atendimento e de sonhar em dar passos cada vez maiores! 🙂

A aula da Kate Perry me fez sentir e relembrar tudo isso que estava guardado e ao mesmo tempo foi uma oportunidade para nós professores atuarmos como “educadores do coração”, pois discutimos temas relacionados aos sentimentos dos nossos alunos e com isso pudemos estreitar os laços da relação professor/aluno e criar um ambiente seguro para que todos os alunos possam expor suas idéias, sejam elas quais forem. A confiança gerada em sala de aula entre aluno e professor e entre responsáveis e coordenação vem mostrando que esse elo de aliança só tende a crescer e prosperar, pois toda vez que um pai ou uma mãe me diz que confia em minhas mãos o seu bem mais precioso, além da responsabilidade que sinto no cumprimento do meu dever, sinto a certeza de que estamos caminhando pelo caminho certo!

Parabéns Wise Up Teens por 01 ano de existência vencendo barreiras, quebrando paradigmas e transformando pessoas! 🙂

Caroline Tosta, 08/02/2012

Bom, a Wise Up Teens Ipiranga já conta com aproximadamente 130 alunos (para mais) agora em Março de 2012.

A responsabilidade aumenta muito quando temos que gerenciar mais de 100 alunos, pois a nossa função como RT (coordenadora educacional) muda completamente.

No início do curso, quando eu gerenciava por volta de 30 alunos, a minha responsabilidade era bem pontual: fazer com que a “novidade” desse certo e para que isso acontecesse eu optei por focar meus esforços no relacionamento educador(a)-aluno(a), pois mais do que convencer os responsáveis de que o curso era realmente bom, eu precisava saber dar uma aula de qualidade dentro da metodologia, conhecer bem os meus alunos e dominar o material didático para que dessa forma os teens pudessem sentir-se acolhidos, satisfeitos com as aulas e aprendessem inglês com prazer. E foi assim durante todo o primeiro semestre de 2011 e o desafio foi grande! J Contudo, o retorno foi extremamente positivo e já no segundo semestre de 2011 a escola contava com 90 alunos e as minhas funções começaram a mudar. Eu deixei de trabalhar sozinha e recebi a ajuda de mais 02 educadores. A partir daí, eu aprendi a dar treinamento e selecionar profissionais do ensino, a levantar temas motivacionais e de debate crítico para as pautas de reuniões de professores, a brigar com o suporte do sistema que utilizamos, a fazer o class appraisal e dar feedback de forma construtiva, a pedir colinho para a minha coordenadora de unidade, enfim o foco passou a ser atuar de fato como uma Coordenadora de Ensino. Agora, em 2012, com a quantidade de alunos(as) crescendo rapidamente, o que eu sinto que já mudou é a que me distanciei um pouco da relação educador(a)-aluno(a) e passei a me concentrar mais na relação coordenadora-responsáveis e coordenadora-educadores, pois agora com esse número de alunos a minha responsabilidade por orientar, motivar, cobrar, acalmar, dar dicas e acompanhar o trabalho dos teachers aumenta e a minha responsabilidade frente às expectativas dos responsáveis também. O meu cotidiano passou a ser ainda mais corrido, pois preciso nivelar e alocar os alunos novos, tirar listas de chamada, atender responsáveis, fazer transferências de turma e/ou unidades, conversar com os alunos(as) com dificuldades de aprendizado e/ou relacionamento e com seus responsáveis quando necessário, pesquisar temas a serem abordados de forma a contribuir para a qualidade das aulas e compreensão dos professores sobre o mundo teens, enfim ‘n’ coisas!! rs. Os desafios no relacionamento com os responsáveis e com os professores é estou focando para que esses 130 alunos sejam retidos e que eles se continuem se sentindo acolhidos e satisfeitos!! 🙂

Caroline Tosta

Entrevista para a matéria:

http://ometzonline.com/pt/voices/noticia/-de-100

special-reports

27.03.2012

Celebración de 01 año de Wise Up Teens

Por Caroline Tosta.

“What is your teenage dream?”
En esta primera semana de clases teens mi corazón afligido no me dejaba dormir tranquila. Me encontré dando vueltas en la cama y pensando: “Si pongo el alumno J con la alumna V en el mismo grupo, ¿va a funcionar? ¿El grupo M02 dará la bienvenida a P y B? P, C y L se portarán bien este semestre, ¿cómo nos prometieron? ¿Los profesores están haciendo con que los nuevos alumnos se sientan cómodos? ¿Soy capaz de motivar a los profesores y dejarlos cómodos para compartir sus retos en el aula?”.
Había tantas dudas que sólo podía soñar acerca de la escuela, los alumnos y los profesores. Y en una de esas noches que me demoré a dormir, me puse a hacer una “retrospectiva” mental de lo que he pasado como Responsable Teens y me di cuenta de que en marzo de 2012, ¡yo y el Proyecto Wise Up Teens tenemos muchas razones para celebrar! :)
Me tiré de cabeza y corazón abierto a este proyecto desde el principio y ¡puedo celebrar con gran alegría 01 año de Coordinación Teens con un saldo de nuevo ingreso de más de 100 alumnos de 2011 a 2012, 02 cancelaciones y 02 transferencias de alumnos que comenzaron el curso! Y esto sólo demuestra que el Proyecto Wise Up Teens es un gran éxito y que tiene enorme potencial de crecimiento, ¡sólo hay que creer en él y que todos los sectores trabajen en equipo! :)
Believe! Esto me recuerda cómo, en principio, fue difícil sumergirme en el mundo de los adolescentes. Tuve que “explotar” mi sobrino de 14 años y “chupar” toda la información posible acerca de las canciones del momento, películas, series, las opiniones acerca de lo que es y no es “cool”, actualizarme de toda una “cultura Teens” que hasta entonces ni siquiera me di cuenta de que no conocía, lo que me causó gran extrañeza. Me sentí como Caetano Veloso describe en la canción “Sampa”: “y la mente aterroriza lo que todavía no es viejo, nada de lo que era antes, cuando no somos mutantes”… Y fue durante las primeras lecciones que me di cuenta que varios ejemplos de personalidades que marcaron mi generación (años 80) como “Xuxa”, “Carla Perez” y “Cazuza” estaban desactualizados y que a mis alumnos les gustaba llamarme “old”! Pensé: OMG!!! L Y, todavía en estado de shock, me acordé de mi “teenage dream”, que era ser un “mutante” o mejor dicho, una “metamorfosis ambulante”, como decía Raul Seixas.
Fue entonces que abracé a la “causa” y decidí abandonar permanentemente mi “zona de confort” y me desafié a rescatar la adolescente que todavía estaba viva en mí y… ¡Mira!… ¡He encontrado tanto! J Entre ellos, ¡la capacidad de creer en la gente, en un futuro mejor, la excitación para vivir intensamente el momento, de trabajar con pasión, de me donar a cada atención y soñar en dar pasos cada vez más grandes! :)
La clase de Kate Perry me hizo sentir y recordar todo lo que había guardado, mientras que fue una oportunidad para nosotros, profesores, actuar como “educadores del corazón”, pues discutimos temas relacionados con los sentimientos de nuestros alumnos y así pudimos fortalecer los lazos de la relación profesor/alumno y crear un ambiente seguro para que todos los alumnos puedan expresar sus ideas, cualesquiera que sean.
La confianza generada en el aula entre el profesor y los alumnos y entre los responsables y la coordinación ha demostrado que este vínculo de alianza no hará sino crecer y prosperar, porque cada vez que un padre o una madre me dice que confía a mis manos su bien más precioso, además de la responsabilidad que siento en el cumplimiento de mi deber, ¡me siento segura de que estamos andando por el camino correcto!
¡Felicitaciones, Wise Up Teens! ¡Un año de existencia rebasando límites, rompiendo paradigmas y transformando las personas! :)
Caroline Tosta
“Dar e Receber são a mesma coisa”
 
Existe o Amor que só quer Receber,
Existe o Amor que só quer Dar,
E existe o Amor que quer Compartilhar.
 
O Amor que só quer Receber é o Amor Egoísta.
O Amor Egoísta alimenta seu próprio Ego e não sabe se Doar.
Ele vive fazendo exigências e criando condições/barreiras/problemas para retribuir o Amor que recebe.
O Amor Egoísta é Vazio.
 
O Amor que só quer Doar é o Amor Altruísta.
O Amor Altruísta alimenta o Ego do outro e não sabe se Valorizar.
Ele vive doando para as pessoas amadas de forma compreensiva, colocando a si mesmo e seus desejos em segundo plano.
O Amor Altruísta não sabe Receber e se Esvazia.
 
O Amor que quer Compartilhar é o Amor Verdadeiro.
O Amor Verdadeiro não alimenta o Ego de ninguém, não ilude ninguém e não faz mal para ninguém.
Ele vive trocando experiências boas e ruins, agregando no que é comum e divergindo no que é conflitante, mas sempre está unido pelo Respeito e Alteridade.[1]
Ele é um Processo, por isso não existe a priori e sem a dedicação de ambos ele falece ou transmuta para os outros dois já citados.
O Amor Verdadeiro sabe Doar e Receber, porque é Incondicional e vive da construção de seu alimento diário.
 
Só sabe Amar aquele que conhece o Amor e o Amor nasce dentro de Nós, primeiro por nós mesmos e depois pelos outros.
 
“Ame ao próximo como Ama a Ti Mesmo” (Jesus)
 
Só podemos Amar ao Próximo depois de nos Amarmos, pois não podemos Doar aquilo que não temos ou não conhecemos. E então, somente quando realmente nos amarmos é que seremos capazes de amar não só aos que nos cercam, mas a todos e a tudo.
 
“É dando que se Recebe” (São Francisco)
E é aprendendo a Receber
Que se expande sua capacidade de Doar (Caroline)
 
O Equilíbrio entre a sua vontade e a vontade do outro leva à prática das verdadeiras qualidades do Amor, que são:
O respeito, a compreensão, o companheirismo, a união, o perdão, a plenitude, a compaixão e o sentimento de querer o Bem, o Melhor não só para si mesmo, mas também para o outro e não só para o outro, mas também para si mesmo.
 
Portanto,
Dar e Receber são a mesma coisa,
porque são as duas faces complementares do Amor Verdadeiro.
 
Ciclo do Processo:
Receber e Retribuir (Doar)
Doar e Aceitar a Retribuição (Receber)
 
“Dar o Melhor de Si e Receber o Melhor do Outro.
Respeitar o Pior de Si e Compreender o Pior do Outro”.
 
 
Reflexões de
Caroline Apª de F. Tosta.
14 de setembro de 2009


[1] Alteridade: a capacidade humana de se colocar no lugar do outro e compreender seu ponto de vista e a situação em que se encontra.

Na Natureza Selvagem (Into the Wild) – Trailer Legendado

http://www.youtube.com/watch?v=0YBDpPIhEYo
No dia em que eu assisti esse filme eu me identifiquei com o Chris, com sua força, sensibilidade, intensidade, coragem e questionamentos. O seu espírito aventureiro… A sua busca…

Eu viajei junto com ele e senti seu entusiasmo e sua dor. A dor de se colocar em uma situação que tirou sua vida, a dor de afastar todos os que amava, a dor da solidão… a dor que sua ausência causou aos seus familiares e amigos. O aprendizado que ficou foi:

“O medo limita a inteligência, paralisa, algema. Mas, a coragem sem cautela é inconsequência e irresponsabilidade. A coragem sem o limite do bom senso é a ausência de valor e significado.”

By Caroline Tosta em 30 de julho de 2008
 
Aprendi a usar a coragem para compartilhar minha busca, expor meus sentimentos e parei de afastar as pessoas que eu gosto e que estão ao meu lado. Afinal, “a felicidade só é real quando compartilhada” – Chris McCandless

“A jornada é longa e caminhar lado a lado, aprendendo e transformando a nós mesmos e ao nosso redor torna a vida realmente intensa!” – Caroline Tosta